quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

O abraço


Gostaria muito de saber como está, se está bem, se está feliz. Eu espero, com todo o meu coração, que para todas essas perguntas a resposta seja sempre sim.
Sabe, sempre me lembro daquele abraço gostoso que você me dava quando o mundo todo parecia estranho para mim. Quanta paz e tranquilidade eu encontrava. Muitas vezes você sequer dizia uma palavra, apenas me abraçava e, de repente, tudo fazia sentido de novo, tudo estava calmo, tudo estava no lugar.
Eu também não precisava dizer nada, era como se você soubesse tudo. Você conhecia cada detalhe de mim, minhas caras e bocas, minha respiração, meu jeito de olhar e eu sabia que podia contar com você, a segurança em forma de pessoa.
Hoje, eu senti uma saudade imensa e muito gostosa daqueles tempos.

4 comentários:

.ana disse...

saudade.
ela me aflige volta e meia.
[como agora, por exemplo...]

bjks!

Vladir Duarte disse...

Saudade vem e vai... é sempre assim, como uma onda no mar.

Valeu!

L.S. Alves disse...

Respira fundo. Isso passa. É bom ter cuidado com esse sentimento. Saudade nasce pra gente matar, mas nem sempre esse crime é benéfico. Já penei muito por matar saudades quando não devia.
Um abraço moça e boa sorte.

L.S. Alves disse...

Voltando e atualizando.

Essa é a visão que tenho da saudade:
http://maquinadeletras.blogspot.com/2008/10/saudades.html

Um abraço.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin